Victor Vasconcellos

Victor é dos mais conceituados e experientes shapers brasileiros. Tem 30 anos de experiência e mais de 28.000 pranchas shapeadas a mão. Quando começou a trabalhar com a sua máquina digital parou de contar.

Desde os anos 70 que Victor mantém uma equipe de surf. Fizeram parte da equipe Hotstick, nomes como:

Pepe Lopes, Cauli Rodrigues, Felipe Martins (anos 70)

Fred D'Orey, Waldir Vargas, Bita (SC), Lima (SC), Taiu (sp), Alemão de Pernambuco (SP), Felipe Silveira (RS), Guga Arruda (sc), Jojo de Olivença, Ricardo Martins, Joca Secco, Renato Phebo, Guto Carvalho, Sergio Noronha (anos 80)

Guilherme Gross, Rodrigo Dornelles, Marcelo Trekinho, Bernardo Pigmeu (anos 90) e nos dias de hoje Daniel Hardman, Rodrigo Resende, Jorge Pinto Spanner, Robson Gobatto, Danilo Couto, Hizunome Betero, Saulo Jr., Marcelo Nunes entre muitos outros, usam suas pranchas.

Victor é de uma época que para se fazer uma prancha bem feita, era preciso ser um bom surfista, ter viajado pelo mundo conhecendo vários tipos de onda, e toda essa informação era repassada para os seus shapes, e ainda é.

Tendo viajado pelos principais pico do mundo, Austrália, África, Indonésia e Hawaii, trabalhar em várias oficinas foi opção para ganhar algum dinheiro, se manter viajando e trocar muitas experiências em medidas e hidrôdinamica com os shapers locais.

Com seu currículo, Victor foi convidado para trabalhar em Sidney, Austrália, na Force 9, fabrica que patrocinava Gary Green, top do Circuito Mundial. Também trabalhou na Pipedream em Gold Coast onde trabalhou com Murray Bourton, top shaper australiano.

Seu principal trabalho internacional foi quando foi convidado para trabalhar no Hawaii, durante 5 anos com o shaper Glen Minami, da Blue Hawaii, aprimorando suas técnicas principalmente nas pranchas para ondas grandes. Nesta ocasião fez as pranchas de vários tops do Hawaii inclusive Sunny Garcia e Ross Willians.

"Trabalhar com bons surfistas é a melhor maneira de evoluir os shapes" comenta Victor.

Além das pranchas HS, Victor é também o shaper licenciado para a produção das pranchas Rip Curl no Brasil.

Hoje Victor tem como sua principal ferramenta de trabalho a DSD, máquina digital criada pelo brasileiro Luciano Leão, porém não deixando de dar os retoques manuais finais para o bom funcionamento de uma prancha.













Waterman por natureza e por ofício, Victor não só desenvolve, como também bota os modelos à prova.